terça-feira, fevereiro 24, 2009

The Godfather (1972)

Voltando aos 100 filmes americanos da série de listas lançadas pelo American Film Institute para comemorar os 100 anos do cinema, a lista AFI's 100 Years... 100 Movies - 100 Anos... 100 Filmes apresentada em 1998, o número 3 foi o Poderoso Chefão I.




Número 003 : O Poderoso Chefão (The godfatlher - 1972)
transparente.gif (35 bytes) poderoso-chefao-poster01t.jpg (2629 bytes)

» Gênero: Drama
» Tempo de Duração: 171 minutos
» Direção: Francis Ford Coppola
» Roteiro: Mario Puzo e Francis Ford Coppola, baseado em livro de Mario Puzo
» Produção: Albert S. Ruddy
» Música: Nino Rota


Elenco
Marlon Brando (Don Vito Corleone)
Al Pacino (Michael Corleone)
Diane Keaton (Kay Adams)
Richard S. Castellano (Peter Clemenza)
Robert Duvall (Tom Hagen)
James Caan (Santino "Sonny" Corleone)
Sterling Hayden (Capitão McCluskey)
Talia Shire (Connie Corleone Rizzi)
John Marley (Jack Woltz)
Richard Conte (Emilio Barzini)
Sofia Coppola (Criança batizada)


Don Vito Corleone (Marlon Brando) é o chefe de uma "família" de Nova York que está feliz, pois Connie (Talia Shire), sua filha, se casou com Carlo (Gianni Russo). Porém, durante a festa, Bonasera (Salvatore Corsitto) é visto no escritório de Don Corleone pedindo "justiça", vingança na verdade contra membros de uma quadrilha, que espancaram barbaramente sua filha por ela ter se recusado a fazer sexo para preservar a honra. Vito discute, mas os argumentos de Bonasera o sensibilizam e ele promete que os homens, que maltrataram a filha de Bonasera não serão mortos, pois ela também não foi, mas serão severamente castigados. Vito porém deixa claro que ele pode chamar Bonasera algum dia para devolver o "favor". Do lado de fora, no meio da festa, está o terceiro filho de Vito, Michael (Al Pacino), um capitão da marinha muito decorado que há pouco voltou da 2ª Guerra Mundial. Universitário educado, sensível e perceptivo, ele quase não é notado pela maioria dos presentes, com exceção de uma namorada da faculdade, Kay Adams (Diane Keaton), que não tem descendência italiana mas que ele ama. Em contrapartida há alguém que é bem notado, Johnny Fontane (Al Martino), um cantor de baladas românticas que provoca gritos entre as jovens que beiram a histeria. Don Corleone já o tinha ajudado, quando Johnny ainda estava em começo de carreira e estava preso por um contrato com o líder de uma grande banda, mas a carreira de Johnny deslanchou e ele queria fazer uma carreira solo. Por ser seu padrinho Vito foi procurar o líder da banda e ofereceu 10 mil dólares para deixar Johnny sair, mas teve o pedido recusado. Assim, no dia seguinte Vito voltou acompanhado por Luca Brasi (Lenny Montana), um capanga, e após uma hora ele assinou a liberação por apenas mil dólares, mas havia um detalhe: nas "negociações" Luca colocou uma arma na cabeça do líder da banda. Agora, no meio da alegria da festa, Johnny quer falar algo sério com Vito, pois precisa conseguir o principal papel em um filme para levantar sua carreira, mas o chefe do estúdio, Jack Woltz (John Marley), nem pensa em contratá-lo. Nervoso, Johnny começa a chorar e Vito, irritado, o esbofeteia, mas promete que ele conseguirá o almejado papel. Enquanto a festa continua acontecendo, Don Corleone comunica a Tom Hagen (Robert Duvall), seu filho adotivo que atua como conselheiro, que Carlo terá um emprego mas nada muito importante, e que os "negócios" não devem ser discutidos na sua frente. Os verdadeiros problemas começam para Vito quando Sollozzo (Al Lettieri), um gângster que tem apoio de uma família rival, encabeçada por Phillip Tattaglia (Victor Rendina) e seu filho Bruno (Tony Giorgio). Sollozzo, em uma reunião com Vito, Sonny e outros, conta para a família que ele pretende estabelecer um grande esquema de vendas de narcóticos em Nova York, mas exige permissão e proteção política de Vito para agir. Don Corleone odeia esta idéia, pois está satisfeito em operar com jogo, mulheres e proteção, mas isto será apenas a ponta do iceberg de uma mortal luta entre as "famílias".

texto extraído de : http://www.adorocinema.com/filmes/poderoso-chefao/poderoso-chefao.asp

Prêmios

Oscar 1973 - 3 vitórias (filme, ator principal e roteiro adaptado) de 9 indicações

Curiosidades

  • O Poderoso Chefão deixou muitas marcas na história do cinema, como a cena do cavalo e a do pedágio, e até mesmo o modo de agir dos Dons Vito e Michael inspiram até hoje as atuações dos mafiosos do cinema e da televisão. No entanto, Coppola fez o que alguns consideram ser o mais difícil: superar a popularidade do livro. Na verdade, hoje em dia, poucas pessoas sabem que O Poderoso Chefão foi originalmente um livro.
  • A parte dois de O Poderoso Chefão tornou-se a primeira continuação que ganhou o Oscar de melhor filme assim como a primeira parte (o terceiro ficou apenas na indicação, tendo perdido o Oscar para o filme Dança com Lobos). O Senhor dos Anéis Parte 3 (O Retorno do Rei) foi a segunda e última continuação a ganhar o Oscar de melhor filme.
  • Robert de Niro fez teste para os papéis de Michael e Santino (Sonny) Corleone no primeiro filme, mas não ficou com nenhum. Em compensação, interpretou o jovem Don Vito na Parte II.
  • O diretor Francis Ford Coppola e o autor do livro, Mario Puzo, combinaram que sempre que aparecessem laranjas no filme, ocorreria uma morte ou atentado.
http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Godfather



Meu comentário: nunca havia assistido esse filme por completo, sempre pegava um pedaço que passava na tv e confesso que valeu a pena assistí-lo. Apoio totalmente a sua participação na lista dos 100 melhores (já sei que não sou crítica de cinema !!!) Vou assitir o II e o III um dia qualquer. Gostei de ver atores como o Al Pacino com carinha de novinho se transformando ao longo do filme, certamente quando eu assistir os outros eu vou perceber ainda mais essa transformação. Fica como sugestão assistirem esse filme, não me perdoo de não tê-lo assistido até hoje.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...